29.12.08

Me surpreendo todos os dias como nos perdemos facilmente um do outro. As pessoas não sabem mais se comunicar. A incompreensão que temos do outro acontece de todas as maneiras todos os dias. Vivemos a vida tentando decifrar gestos e olhares. Mas na verdade, esquecemos de olhar no espelho. Não é questão de ter telhado de vidro. É realmente olhar e tentar se compreender. No fundo dos olhos, lá dentro, o que realmente nossa alma nos diz.
É fácil acredito, tirar nossas próprias conclusões a respeito das pessoas. Mas acho uma terrível perda de tempo quando ao fazer isso, esquecemos de, em primeiro lugar, ouvir o que nós temos a dizer pra nós mesmos. Falar ao outro, na psicologia mais básica, o que na verdade, nós mesmos não queremos ouvir, é o caminho mais seguro. Sempre é.
O foda é encarar tudo o que você mesmo tem pra se dizer. A verdade real e cruel.
Isso é difícil.
E acontece um passo de cada vez.
Eu sempre confiei nos meus instintos. Minha intuição raramente falha, e quando eu presto atenção, as coisas ficam muito claras pra mim.
Quero que essa passagem de tempo de um ano para o outro tenha significados mais profundos, mais verdadeiros, que eu pare pra pensar justamente em tudo que vivi até aqui, que me fez ser quem eu sou e estar onde estou.
Tudo tem um motivo, mas na minha opinião, o maior motivo de todos, sou eu.
Eu estou na vida por mim, então todo cuidado que eu puder ter de agora em diante comigo, é só porque eu quero passar vários anos sendo verdadeira e honesta com os meus sentimentos.
Não tenho medo, não quero me preservar, não acho que a preservação de uma pessoa a leve longe. Se você não se joga, não vive e não tem nada a aprender.
O mundo é cruel, mas ele é lindo também.


Obrigada 2008 por tudo que aprendi até agora. Foi um crescimento forçado, doído, intenso e totalmente meu. Volto a sentir e tomar fôlego de novo.
Não digo que não tenho medo, mas de agora em diante eu resolvi viver apenas o que eu escolhi pra mim. Não quero comodismo, não quero o conforto da redoma de vidro. Quero o real e verdadeiro prazer de viver intensamente.
Feliz ano novo.

22.12.08

eu quero tudo e não tenho nada, é isso mesmo?
Tudo que eu gostaria de dizer, ainda não foi dito. Eu não gosto de balançar o coreto alheio. Meu maior defeito. Enquanto todos sacodem e derrubam o meu, e eu vou lá e monto tudo de novo, pra derrubarem de novo.
Nada saudável.
Mas ainda bem que eu tenho conseguido falar na análise. Aprendi desde pequena a não falar, a omitir, por medo. Medo de ser repreendida. Cada um com os seus problemas. O meu é esse.
Meu maior medo é o da rejeição, pensando no meu histórico mais recente.
Aí, me recolho, me suicido um pouquinho todo dia (como escorpiana que sou), e deixo que os outros venham e me digam o que acham que eu devia estar fazendo da minha vida.
Mas, por teimosia, acabo fazendo sempre o que eu quero da minha vida. Deveria ser assim, né? Cada um faz o que bem entende da vida e fica por isso mesmo.
Mas não é. Quando existem sentimentos envolvidos nunca é.
A vida podia também ser mais simples, mas não é.
Então tá.
Vou pegar o martelo e começar a reconstruir essa história.

15.12.08

Eu tenho beijo de bom dia na cama, tenho carinho no final de semana, tenho risadas, olhares e suspiros.
Porque eu me permiti, porque eu escolhi.

As coisas têm começo, meio e fim.

Eu estou no começo.

11.12.08

Se o inevitável acontece, melhor viver o inevitável

Não vou aqui ficar me lamuriando em desespero. Não mesmo.
Agora, que é um enigma atrás do outro, isso é. Tentar definir seus olhares pra mim, em determinados momentos em que o silêncio nos corta, um olhar profundo, dentro dos meus olhos. Dentro de mim. Apesar de estarmos aguardando algum mágico acontecimento e apesar dos dois terem medo do que vamos encontrar pela frente.
Seu olhar me congela.
E aí você abre um sorriso. Me olhando ainda, mas sorrindo.

E nesse momento, eu derreto.





"This Is Love"
(PJ Harvey)

I can't believe life's so complex
When I just wanna' sit here and watch you undress
This is love that I'm feeling
Does it have to be a life full of dread?
I wanna' chase you round the table, I wanna' touch your head
This is love that I'm feeling
I can't believe that the axis turns on suffering
When you taste so good
I can't believe that the axis turns on suffering
While my head burns
This is love that I'm feeling
Even in the summer, even in the spring
You can never get too much of a wonderful thing

You're the only story that I never told
You're my dirty little secret, wanna' keep you so
Come on out, come on over, help me forget
Keep the walls from falling on me, tumbling in
This is love that I'm feeling

8.12.08

apesar de você

amanhã há de ser, ouuuutro dia...


Eu não tenho jeito. Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.Eu não tenho jeito.

7.12.08

negação

não quero mais arrependimentos na minha vida.
não quero mais amores não correspondidos.
não quero mais me sentir second hand.
não quero mais.


não.

mas me falta coragem para dar um basta.

coragem.

dói a alma só de pensar.

eu não escolhi isso. juro que não. veio se aproximando de mim sorrateiramente.
esse sentimento não me faz bem.

não.


preciso ficar repetindo.


não.

3.12.08

dor rima com amor

A angústia começa em torno de um pensamento obsessivo. Uma vontade insuportável de ficar junto, de ouvir o que você tem a dizer, de observar cada centímentro do teu corpo como se fosse a primeira vez que o visse. Mas eu não te tenho nem quando estamos a dez centímetros um do outro. Você vaga em seus pensamentos, que te levam tão longe de mim, fica impossível alcança-lo.
A saudade acontece na hora em que nos despedimos. Não existe uma hora, duas, três horas depois. Existe o fechar a porta e já sentir meu coração apertando.
Mas como se lida com isso? Como eu posso viver esperando o impossível?
Meu coração não tem me obedecido ultimamente, infelizmente.
Minha cabeça fica num processo doido de me convencer disso e daquilo.
Eu amo você.
Mas você não sabe disso, não é mesmo? E as vezes acho que não merece saber.

*mentalmente exausta hoje*

29.11.08

renovação

O novo vem surgindo na minha vida a passos largos. Cada dia uma história diferente, uma sensação diferente. Tudo de novo? Não, tudo mudado. Eu não sei mais o que esperar, mas sei que está se transformando, tomando um formato desconhecido pra mim. Até agora, fazendo um balanço do que eu tenho passado no último ano, esse aqui, que nós estamos e um pouquinho do ano passado, fica cada vez mais claro que as coisas têm começo, meio e fim. Tornando-me mais realista e preparada a cada dia pra tudo que eu sei que eu vou ter que abrir mão, para começar outras coisas.
Não quero aqui, colocar nenhuma expectativa em mim. Se eu releio isso, daqui uns dias, pode estar diferente.
Mas eu sei que, igual, nunca mais.
Meu coração e minha cabeça estão trabalhando juntos, quando eu consigo essa proeza. O resto eu prefiro viver e sentir sem pensar.
Senão, eu nunca vou saber o que poderia ter sido. Não quero deitar na cama e me arrepender do que eu não fiz. Isso jamais.
Vou ali viver, depois eu volto.

23.11.08

ciclos viciosos

Talvez, eu tenha realmente algum problema de repetir os meus erros em loop. Na verdade, aprendi com eles, mas não consigo deixar de continuar a cometê-los. Por que?
Porque eu não devo ter um pingo de dignidade dentro do meu ser. Só pode.
As pessoas (odeio generalizar, mas na verdade eu não deveria citar nomes, para preservar o orgulho de gente tão orgulhosa,prossigamos), são egoístas, orgulhosas, prepotentes, se acham donos da fábrica de cocada e semeiam angústia por onde passam. Pelo menos algumas das pessoas que eu conheço de perto e não valem um centavo.
Mas é assim.
Acho que talvez eu tenha alguma tendência masoquista incubada, ou talvez eu continue achando que tenho dentro de mim uma força capaz de mover montanhas - e mudar pessoas.
Mas no fundo, eu mudei a perspectiva de como enxergar certas situações que são do tipo "Ih caramba, lá vou eu fazer isso tudo de novo, burraaaaaaaaaaaa". Estou tentando cagar mais pras coisas. Não levar a sério mesmo.
O que me faz crer que estou me anestesiando do mundo dos relacionamentos. Por tempo indeterminado, até que apareça alguém que balance o meu coreto novamente.

Mas estou achando que o "fechada pra balanço", que pode ser entendido também como " não vou deixar ninguém entrar nesse pobre coraçãozinho partido", vai demorar mais um tempo.
O resto é risada, beijinho na boca, abraços e eventuais sexos selvagens que pretendo fazer ao longo dessa anestesia. Separei bem uma coisa da outra. Acho que é tipo o que eles fazem, pensando melhor. As mulheres deveriam aprender com os homens a segmentar sentimentos e razão.
Perdi a linha de raciocínio, por isso, por hoje, domingão fora de contexto, já chega.

18.11.08

Perdão

O perdão é um processo mental ou espiritual de cessar o sentimento de ressentimento ou raiva contra outra pessoa, decorrente de uma ofensa percebida, diferença ou erro, ou cessar a exigência de castigo ou restituição.

O perdão pode ser considerado simplesmente em termos dos sentimentos da pessoa que perdoa, ou em termos do relacionamento entre o que perdoa e a pessoa perdoada. É normalmente concedido sem qualquer expectativa de compensação, e pode ocorrer sem que o perdoado tome conhecimento (por exemplo, uma pessoa pode perdoar outra pessoa que está morta ou que não se vê a muito tempo). Em outros casos, o perdão pode vir através da oferta de alguma forma de desculpa ou restituição, ou mesmo um justo pedido de perdão, dirigido ao ofendido, por acreditar que ele é capaz de perdoar.

O perdão é o esquecimento completo e absoluto das ofensas, vem do coração é sincero, generoso e não fere o amor próprio do ofensor. Não impõe condições humilhantes tampouco é motivado por orgulho ou ostentação. O verdadeiro perdão se reconhece pelos atos e não pelas palavras.

Existem religiões que incluem disciplinas sobre a natureza do perdão, e muitas destas disciplinas fornecem uma base subjacente para as várias teorias modernas e práticas de perdão.

fonte: Wikipedia

17.11.08

você em mim

Me abraça do mesmo jeito e me olha do mesmo jeito. Me beija com o mesmo gosto, mesma velocidade e sentimento. Me engole, me conhece, me aperta os botões certos, me conhece de trás pra frente e do avesso também.
Me ama sim. Sem dúvida nenhuma.
O amor existe sim, apesar de não poder trazê-lo mais para a vida "real". Não é real, não mais. São saudades, reconhecimento do outro.
Você me ama sorrindo, mesmo sorriso de quem se conforta com o amor que se dá e se recebe. Você sorri e me ama em silêncio. Seu tempo é o seu, mesmo tempo e ritmo e frases soltas entre os suspiros e mais sorrisos.
Seu. Meu. Nosso.
Ainda assim, sinto muito. Muito mesmo.
Meu corpo sempre será seu, mesmo que um dia eu não o entregue mais a você.
Mesmo que um dia ele pertença só a mim, a outro homem. Mesmo assim.
Será seu, porque foi seu durante esse tempo todo.
Mesmo machucado por dentro, mesmo triste, mesmo envelhecido oito anos, mesmo assim.
Sempre será seu esse corpo que carrega um coração dentro dele que já te pertenceu.

16.11.08

Excel da vida?

Será que se eu tivesse uma planilha da minha vida, as coisas ficariam mais organizadas dentro da minha cabeça?
Em tudo que eu penso que aconteceu até agora...
Peraí.
Repetitiva pra caralho. Só falo desse ano, como ele foi mau comigo, como sofri, como perdi tanto etc
Cansativo pacas. Mas o que eu posso fazer?
Se eu fizer um balanço de tudo isso, posso dizer que foi um intensivo.
Eu me apaixonei, dei com a cara no chão, eu perdi trabalhos, cheguei a achar que tava tudo enlouquecido demais e que eu poderia perder o controle.
Pior de tudo, eu não perdi o tal do controle. Antes tivesse.
Devia ter mandado meio mundo tomar no cu, mas não fiz. Não faz parte do meu show.
Invés disso vou me enfiando mais e mais nas minhas mazelas, fico doente, somatizo a porra toda e vou dormir sonhando com dias melhores.
Rezo um Pai Nosso e uma Ave Maria toda noite já tem um tempo.
Acredito no poder que eu tenho, mas não consigo deixá-lo sair. Essa força chegou a aparecer, botou a cabeça pra fora, mas voltou de novo pra dentro com novas decepções e tristezas.
Não caio. Não choro. Fico andando na beirada desse buraco enorme que se tornou meu coração com medo de escorregar pra dentro dele.
Ele foi muito maltratado, não quero me fazer de vítima. Vítima nada. Não gosto desse papel. Mas, puta que pariu, sabe?
A coragem de me reerguer precisa vir logo com toda energia necessária pra que eu acredite novamente em mim, e por consequência, nas pessoas.
É um domingo estranho e de lembranças que guardarei como aprendizado.
Voltei a ir até onde me reconheço, mas já não sou eu quem está ali deitada naquela cama.
Serei feliz. Fiz um contrato informal comigo mesma.
Tem hora pra tudo, até pra felicidade.
Chegou a hora, enfim.

12.11.08

eu quero [2]

Acordei ainda muito gripada. Olfato e paladar prejudicados. Não fui a análise, andei até a esquina da Anita Garibaldi com Tonelero e suando frio, liguei pra ela e avisei que estava voltando pra casa. Não ia forçar essa barra.
Meu corpo realmente pedindo arrego. Abusei da mente, minha vida esse ano foi uma avalanche de problemas "sem intervalos", como o Jr colocou bem.
Um atrás do outro, seguidos. Não sei como não desmoronei de vez, não saí correndo a la Forrest Gump. Acho que é a tal esperança de que tudo entra nos eixos em algum momento, que ainda me faz ficar por aqui.
Quero o que me é de direito. Eu mereço, sabe?
Agradeço os beijos, carinhos, palavras, telefonemas, emails, gargalhadas, músicas desse ano.
Não é porque foi muito difícil que não sei valorizar tudo que aconteceu de bom também.
Amigos novos, na idade e no tempo, amigos antigos que se transformaram em amigos casuais, amigos pra toda vida que seguraram a barra quando eu achei que eu ia pirar de vez.
Cada um na sua, na minha. Cada um à sua maneira me fazendo eu me sentir mais e mais eu mesma.
Porque teve um momento ali que eu me perdi de mim. A mente já não era controlada, meus pensamentos ficaram bastante confusos, sem nexo. A realidade começou a ficar muito, muito embaçada.
Meu coração voltou a sentir, e minha cabeça voltou a pensar no que importa.
Graças a mim, e a vocês, amigos.
Mil vontades de tudo.
Assim que eu sair dessa gripe(somatizada), vou pular lá fora, tomar um sol, procurar uma boca pra beijar, e continuar esperando ano que vem chegar.

11.11.08

eu quero

Todas as tristezas, me viraram do avesso. Eu fiquei orfã de casa, meu coração foi despedaçado e jogado num cantinho, varreram minhas esperanças pra debaixo do tapete. Uma hora eu resisti e disse que não, queria tentar tudo de novo. Mas ninguém quis meu retorno, ninguém. A casa esvaziou-se em torno de oito meses. Caixas empilhando, minhas lembranças sendo guardadas, segmentadas, rotuladas em pilot roxo do lado de fora do papelão marrom.
Minha vida inteira, meus cinco anos e alguns anos antes, trazidos do passado pro meu presente, que era viver ali. Não é mais.
Passada essa etapa, cuida-se do coração, né? Nada mais natural. Óbvio.
Eu não sou muita boa nisso não. Imediatamente me vi carente, procurando seiláoque por aí, não me satisfiz, me enrolei em histórias que não me pertencem. Memórias outras, completamente deturpadas, perturbadas, incrívelmente destruidoras.
Agora?
Eu quero que esse ano passe batido.
Saia daqui correndo!
Sofrimento, tive todos os possíveis.
Amadureci na velocidade da luz.
Vou engolir 2009. Porque 2008 me engoliu.
Começando um outro blog, onde minhas entranhas ficam mais expostas.
Sem censura, sem dever nada a ninguém.
Lado B de mim.
Segura na minha mão e vamos ser felizes!!

;)
Bem-vindos.